Você está aqui: Página Inicial / DIRIGENTES DA LAC VISITAM CÂMARA E EXPÕEM SITUAÇÃO FINANCEIRA DA COOPERATIVA

DIRIGENTES DA LAC VISITAM CÂMARA E EXPÕEM SITUAÇÃO FINANCEIRA DA COOPERATIVA

Marcelo Vieira e Rogério Barbosa afirmaram que a venda da LAC é a única solução para revitalização da cooperativa que hoje trabalha com 16 funcionários, com uma produção de 7 mil litros de leite por dia e possui um patrimônio avaliado em R$56 milhões.

Com o objetivo de informar sobre a real situação da Cooperativa dos Produtores de Leite de Leopoldina – LAC, membros da diretoria estiveram participando da sessão ordinária da Câmara Municipal, ocorrida no dia 10 de dezembro.

Marcelo Vieira, Diretor-Presidente, e Rogério Barbosa, Diretor-Financeiro, conversaram com os vereadores sobre a realidade da LAC, os problemas financeiros e a necessidade de venda para revitalização da cooperativa.

Inicialmente, Marcelo Vieira informou que está cumprindo seu segundo mandato à frente da Cooperativa. Disse que, quando assumiu pela primeira vez em 2014, a situação era bem semelhante à atual, mesmo assim conseguiu aumentar a quantidade de leite e ainda pagou diversas dívidas. Segundo ele, o planejamento foi prejudicado em virtude da falta de crédito da cooperativa.

O dirigente reconheceu que o ano de 2017 foi muito difícil para o setor lácteo, pois muitas empresas apresentaram prejuízo em seus balanços, enquanto que outras fecharam as portas. Segundo Marcelo, 2017 foi um ano crucial, pois a LAC não conseguiu superar as dificuldades.

Marcelo Vieira comentou que, em 2018, foi novamente eleito pelos cooperados e assumiu um segundo desafio. Porém, em março daquele ano, a situação foi se agravando e não conseguiu cumprir os compromissos assumidos com os produtores, o que provocou a perda de leite e de faturamento, além de inviabilizar o pagamento das dívidas.

Segundo ele, foi neste momento que a diretoria chegou à conclusão que a melhor saída seria colocar à venda a cooperativa, sendo que essa decisão foi comunicada aos cooperados, os quais, em assembleia, autorizaram a venda de forma unânime.  

O presidente da Cooperativa informou que desde então está à espera de um possível investidor/comprador que apresente uma proposta formal para ser levada para avaliação dos cooperados. Ele explicou que já recebeu visitas de pessoas interessadas, mas que não apresentaram nenhum projeto e nem garantias para assumir a cooperativa e pagar suas dívidas.

Marcelo Vieira explicou que, em agosto deste ano, foi convocada uma assembleia, pois um possível investidor havia demonstrado interesse em adquirir a LAC, mas as negociações recuaram em virtude da execução do BDMG, pois, com a realização de um possível leilão, o comprador poderia adquirir a cooperativa por um preço mais baixo. Segundo ele, a LAC deve ao BDMG aproximadamente R$10 milhões.

O dirigente comentou que, ao assumir a cooperativa, não havia nenhum ativo disponível, todos estavam alienados em empréstimos. Ele anunciou que todos os compromissos foram honrados até julho de 2017 e que conseguiu liberar alguns ativos no BDMG, mas também havia uma dívida no Banco do Brasil, cuja garantia era em produtos acabados, o que praticamente não existia em 2014.

Ele comentou que, como forma de preservar o patrimônio da LAC, os cooperados decidiram em assembleia que deveria recorrer da execução do BDMG e não permitir a realização do leilão. Ele enfatizou que a decisão foi dos cooperados, verdadeiros donos da cooperativa, que não poderiam concordar com que um patrimônio avaliado em R$56 milhões fosse a leilão por R$13 milhões.

Marcelo ressaltou por diversas vezes que não existe esta versão de que ele e o Rogério não querem vender a LAC, esclarecendo que a venda ainda não ocorreu porque não recebeu nenhuma proposta formal das empresas que estiveram visitando a cooperativa.

O dirigente anunciou que atualmente está sendo desenhada uma possível venda da LAC e que está aguardando o desfecho dessa negociação. Ele informou que foi marcada uma assembleia para o dia 6 de janeiro, na qual espera poder apresentar uma proposta concreta para os cooperados.

Marcelo Vieira frisou que, desde março de 2019, não há nenhuma pendência, todas as responsabilidades foram pagas. Além de expor situações de prejuízo em sua vida particular, o dirigente confirmou que ele e o Rogério recebem mensalmente R$4.500,00 e que ainda não receberam o mês de dezembro.

Rogério Barbosa também conversou com os parlamentares e acrescentou alguns dados sobre a cooperativa e o processo de venda. Segundo ele, em 2018 e 2019 foram demitidos cerca de 200 funcionários e que somente agora eles receberam suas verbas indenizatórias graças a recursos de restituição do PIS e Confins. O dirigente confirmou que atualmente a cooperativa possui 16 funcionários, 1170 cooperados, sendo 70 ativos, e trabalha com cerca de 7 mil litros de leite por dia.

Após responder aos questionamentos dos vereadores, Marcelo Vieira disse que considerava importante participar de uma reunião da Câmara, pois a LAC, embora seja de iniciativa privada, é uma referência regional, com 76 anos de atuação do ramo e que lamentavelmente hoje se encontra numa situação de inviabilidade econômica.

error while rendering plone.comments
Transparência

Mídias Sociais

Parlamento Jovem

TV Câmara

Posto de Identificação

Pesquisar no BuscaLeg
Logotipo do BuscaLeg - Buscador Legislativo